08 dezembro 2012

Um frio diferente.

Na noite de Sexta-feira para Sábado, por volta das 2am, estava a voltar para casa depois de ir a um concerto de jazz. Estava frio, não era aquele frio glaciar, não, estava apenas o frio de uma noite normal de inverno.

A determinado momento, enquanto caminhava e conversava, reparo em algo no chão que mexeu comigo. Não estou a falar daquelas emoções que se sentem no momento e depois passam... estou a falar daquelas emoções que nos dominam, que vão desenterrar os sentimentos mais profundos que possamos ter; vai até aos ossos e desfaz toda e qualquer defesa. Já vou explicar o que vi, mas antes disso queria que a imagem que vi segundos antes fique bem explicita: Várias pessoas a passear pela rua, a conversar e a passear, vá, iam na sua vida caminhando calmamente. Ok, o que vi foi tremendo e ainda hoje, enquanto estava à espera à porta do pingo doce, revi essas imagens e não pude conter algumas lágrimas. 

O que vi: enquanto passeava e caminhava, olhei para o lado e vi um sujeito deitado no chão. Embrulhado num cobertor, deitado em cima de outro cobertor que o separava do chão frio. Doeu só de ver. E iamos passando por aquelas pessoas, como se nada fosse. Tentando não fitar, tentando não olhar durante muito tempo para não "incomodar" quem lá estava deitado.

Foi quando pensei: Em que ponto das nossas vidas é que se tornou normal andar na rua e passar por pessoas a tentar dormir no chão? Como é que isto se tornou "OK", como é que algo assim se tornou aceitável na nossa rotina? De que forma é que é normal passear à noite e ver pessoas a dormir no chão, ao frio, como se fossem parte da paisagem?

Não faço ideia o que aconteceu na nossa Vida, ou que desculpas continuamos a dar à nossa consciência para acreditar que neste momento estão pessoas que podiam ser nossos irmãos, irmãs, pais, avós... a dormir no chão, sem abrigo e ainda por cima com este frio. Sem alguém... sem uma mão amiga, uma palavra de conforto, uma bebida quente para ajudar a aquecer o corpo... nada. Enquanto penso nisto sinto a minha mente a invadir-me com desculpas: "é a escolha dessas pessoas", "há instituições que tratam deles", "não os podes ajudar a todos"... mas continuam a ser desculpas e eles, eles continuam a dormir no chão. E eu continuo a lutar, a tentar fazer algo da minha vida como se fosse a minha grande batalha, o meu grande prémio por estar vivo. E quando penso neles, sinto-me tão pequeno... penso como é que posso continuar a pensar no que quero, quando vivo sem ter em conta quem precisa de ajuda. E a pergunta volta... "Em que ponto da nossa vida é que passou a ser normal passear na rua e ver pessoas a dormir no chão?"

Uma coisa que aprendi é que a vida continua. Não importa o quanto queiramos que ela abrande, não importa se desaparecemos deste lugar ou ficamos fechados nos nossos problemas... a Vida continua. Independentemente se somos bons, maus, honestos, mentirosos, orgulhosos ou altruístas... a vida continua. E para nós como para "eles" a Vida irá continuar. Mas penso, será que não podiamos fazer algo, ajudar de alguma forma? Nem que fosse tornar isto algo inaceitável, algo tão revoltante como a violência doméstica. Algo que nos deixasse zangados, revoltados... e que não fosse mais uma coisa normal da nossa sociedade. Que não fosse uma paisagem "natural" na noite. Fico a pensar nisto enquanto adormeço, quando paro por uns segundos e relaxo... são pensamentos e imagens que regressam à minha mente. E volta a pergunta que ainda não sei responder:


Em que ponto da nossa vida, se tornou normal ver pessoas a dormir na rua e continuar com o nosso caminho. Como se estivessemos a passar por uma árvore?

2 comentários:

Sara Matos disse...

São pensamentos como estes que me tiram o sono muitas vezes.
sinto o mesmo que tu. pensei ser a unica.

Vanessa disse...

Percebo. Mas já-me "desiludi" dessa questão há algum tempo Paul. Pelo menos em Portugal. Durante alguns anos fiz voluntariado com a minha mãe num centro de apoio a sem-abrigo. Vi muito coisa e aprendi muita coisa também. Descobri que os "sem-abrigo" são-no na esmagadora maioria por opção. Uns gostam de viver na rua pois sentem-se libertos da sociedade, outros (e são muitos) são tão dependentes de drogas (alcool e afins) que todo o dinheiro que conseguem gastam nisso. Descobri também que por muita vontade que tenhamos de os ajudar, que por muito que façamos nesse sentido, só eles podem tomar a decisão de abandonar as ruas. Podemos até dar-lhes casa, comida, tratamento, tudo, e mesmo assim não os estamos a ajudar em nada. A melhor forma de os ajudar é não contribuir de todo. As pessoas que realmente precisam Paul não são as que dormem ou pedem nas ruas. Essas normalmente têm casa e filhos e dão o máximo todos os dias para continuar a sobreviver.