23 fevereiro 2012

tenham calma.


Há coisas fenomenais que acontecem todos os dias, que nascem dos actos mais simples...
Só porque não os sentimos não quer dizer que não existem... talvez estejamos a trabalhar na frequência errada. Acredito que esta frequência pode ser ajustada à "estação" que queremos ouvir. E se tivermos consciência do que queremos ouvir, torna-se mais simples ajustar a frequência. Não só pelos outros mas mais por nós, é importante saber o que queremos, saber o que nos faz lutar dia a dia. Enquanto não descobrir-mos o que nos move, o que nos faz andar 100 km quando o nosso corpo diz que só conseguimos andar 80 km... iremos andar um pouco à deriva, à mercê da vontade dos outros e fica mais difícil voltar a levantar de cada vez que caímos, pois não temos bem a certeza qual é o motivo pelo qual nos devemos levantar.

A cada dia que passa acredito mais que se as pessoas tentassem resolver os seus conflitos internos o mundo iria ser um local melhor. Todos os problemas que estão por resolver, todas aquelas situações que temos medo... é tudo uma enorme fonte de sofrimento. E daqui surgem conflitos externos. Penso que é uma forma de a nossa mente "expulsar" o que reina por dentro. (Usar bom senso nesta linha de pensamento, há ocasiões onde a nossa reacção pode estar de acordo à situação). Digo isto por experiência, quando reparo que estou numa discussão e consigo me separar da minha mente observo como ela argumenta e contra-argumenta e por vezes faço ligações entre esses argumentos e experiências passadas (pessoais ou não). Consigo com alguma precisão descobrir o porquê de estar a dizer o que digo e porque estou tão chateado. Sempre que posso tento terminar a discussão pois se a discussão não trata apenas com o momento e de certa forma estamos a usar isto com desculpa para descarregar algumas frustrações ou problemas que moram na nossa mente, então algo vai correr mal e não se vai atingir um resultado muito bom. Outras alturas só algum tempo depois da discussão é que reparo no que disse e se há alguma relação com experiências passadas. Convém é depois de descobrir o que nos move naqueles momentos tentar resolver esses problemas. Este auto-conhecimento pode ajudar-nos em imensos níveis e por consequência irá melhorar as nossas relações com o mundo.

E o estado de felicidade, de paz e calma que se atinge quando conseguimos resolver toda a tralha que anda cá por cima é fantástico. Embora seja um estado onde ainda não consiga estar contantemente, consigo alguma vezes passar lá uns bons momentos. Isto ajuda-me a meditar melhor sobre as minhas decisões e evita que estas sejam tomadas segundo o que é esperado ou influênciado negativamente por terceiros. Assim, quando escolho algo, sei que sou eu que estou a fazer a escolha. Não porque é o esperado, nem o que alguém quer que eu faça... mas porque é o que eu escolho fazer. Por vezes pode ser a escolha certa, outras vezes é a errada. Mas é a minha escolha e com isso estou em paz.


1 comentário:

c. disse...

Há coisas fenomenais que acontecem todos os dias, que nascem dos actos mais simples... esta frase devia estar no pensamento diário de cada um :) só esta frase é para mim quase tudo e o resto fica por dizer mas sente-se!